Governo de MT é denunciado por assédio eleitoral pró-Bolsonaro

Servidoras da Seduc-MT estariam sendo coagidas a participar do evento ‘Encontro das mulheres com Bolsonaro’.

O Governo do Estado de Mato Grosso foi denunciado pelo  Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT) pela prática de assédio eleitoral contra servidores da Secretaria de Estado de Educação (Seduc-MT). A Justiça do Trabalho proibiu nesta terça-feira (25.10) que o Executivo adote medidas que visem coagir ou influenciar o voto dos trabalhadores no segundo turno das eleições presidenciais, que acontecem neste domingo (30.10).

A decisão destaca a obridatoriedade de que o Estado se abstenham de adotar quaisquer condutas que, por meio de assédio moral, discriminação, violação da intimidade ou abuso de poder diretivo, visem a coagir, intimidar, admoestar e/ou influenciar o voto de quaisquer de seus servidores, empregados e terceirizados.

Conforme as denúncias, servidoras da Seduc-MT estariam sendo coagidas a participar de eventos políticos em favor de Jair Bolsonaro (PL), que concorre à reeleição. Houve divulgação, em grupos do Whatsapp, e a suposta sinalização de obrigatoriedade em participar, de um evento denominado “Encontro das Mulheres com Bolsonaro”, que foi realizado no primeiro turno e voltou a acontecer nesta terça-feira (25.10).

“Portanto, o que se vê é que a ré convocou em primeiro turno e está novamente convocando para o segundo turno do pleito eleitoral todas as servidoras a participarem de maneira obrigatória de reunião na qual serão expostas visões estritamente políticas, a respeito da escolha a realizar-se na eleição presidencial”, explica o MPT na ação que foi parcialmente acatada pela Justiça.

Na decisão, o Juízo da 2ª Vara do Trabalho de Cuiabá deu razão ao MPT e afirmou que, “embora não seja possível extrair a origem da alegada convocação, é certo que sua divulgação em grupo de servidores contraria o disposto no art. 1, V, da CRFB/88, segundo o qual ‘a República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos (…) V – o pluralismo político’”.

Como denunciar casos de assédio eleitora

As denúncias de casos de assédio eleitoral podem ser feitas por qualquer cidadão pelo aplicativo Pardal, do Tribunal Superior Eleitoral. O app é gratuito e pode ser encontrado nas lojas virtuais , bem como em formulário web no Portal do Pardal. Também podem ser feitas denúncias diretamente ao Ministério Público do Trabalho (MPT), no  ou ainda pelo MPF Serviços.

Compartilhar

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Imprimir

últimas Notícias

Política

Lula e Janja compram tapete de R$ 114 mil

Uma reforma liderada por Lula e Janja nos palácios presidenciais de Brasília custou 26,8 milhões de reais em 2023, e os gastos não devem se