Segunda etapa da vacinação contra febre aftosa começa em novembro

Esta pode ser a última vacinação que Mato Grosso irá realizar contra a febre aftosa.

Começa no dia 1º de novembro a segunda etapa da vacinação contra a febre aftosa em Mato Grosso, que é obrigatória em bovinos e bubalinos de todas as idades, exceto aqueles pertencentes às propriedades localizadas no baixo Pantanal mato-grossense. A vacinação segue até o dia 30 de novembro.

Após a imunização, a vacinação deve ser comunicada ao Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), via módulo do produtor no site do órgão, até o dia 10 de dezembro

A vacinação é obrigatória em quase todo o estado de Mato Grosso, à exceção do município de Rondolândia e algumas propriedades dos municípios de Colniza, Aripuanã, Juína e Comodoro. Esses municípios já são reconhecidos pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) como “zona livre de febre aftosa sem vacinação”. Portanto, não devem imunizar o rebanho.

Suspensão da vacinação

Após essa segunda etapa de vacinação, Mato Grosso e outros cinco estados, além de do Distrito Federal, não deverão mais imunizar o rebanho bovino e bubalino contra a febre aftosa.

A vacinação será suspensa por decisão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), como parte do projeto de ampliação de zonas livres de febre aftosa no Brasil a partir de 2023.

O diretor-técnico da Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Francisco Manzi, ressalta a responsabilidade de cada pecuarista para garantir a continuidade do status de estado livre da febre aftosa (que Mato Grosso possui há 26 anos, mas com vacinação).

“Este será um mês emblemático, pois provavelmente será a última vacinação que Mato Grosso irá realizar contra a febre aftosa. Seguindo o Plano Nacional de Controle e Erradicação Contra a Febre Aftosa (PNEFA), Mato Grosso vai suspender a vacinação e almejar o título de livre da febre aftosa sem vacinação. Por isso é fundamental que todos os pecuaristas façam a sua parte”, ressaltou.

Hoje, o Estado possui o maior rebanho bovino do Brasil, com 32 milhões de cabeças de gado, e é referência em sanidade animal.

Compartilhar

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Imprimir

últimas Notícias

Os preços da soja disponível em Mato Grosso desvalorizaram 4,94%, semana passada, em relação à anterior, fechando na média de R$ 116,41/saca, na última sexta-feira. É a terceira semana consecutiva de queda nas cotações. O Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária divulgou, semana passada, análise do valor da soja no Estado mencionando que, nos últimos quatro anos, o preço da soja disponível exibiu grande valorização no Estado, mas esse cenário tem se invertido nos últimos meses A análise menciona, por exemplo, a cotação do último dia 20, “no Estado, que chegou a R$ 119,45/saca, sendo 88,44% maior que o observado há quatro anos (comparado com 22 de abril de 2019), devido à redução na oferta mundial da oleaginosa, o que elevou o patamar de preço. “Por outro lado, foi observado na segunda quinzena de novembro do ano passado, a constante desvalorização nas cotações da oleaginosa, devido à estimativa de grande produção para a safra 2022/23, ao prêmio portuário negativo, à queda no valor do produto em Chicago (EUA) e à menor demanda neste período, principalmente por parte da China”, acrescentaram os analistas do IMEA.

O preço do milho disponível em Mato Grosso teve queda de 3,88%, semana passada, ante a anterior, e fechou cotada a R$ 50 saca em