Lula quer enviar contraproposta à UE nas próximas semanas

Antes de deixar a Bélgica em direção à África, nesta quarta-feira, 19, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que uma contraproposta sobre o acordo comercial entre os blocos deve ser enviada pelo Mercosul à União Europeia em um prazo de duas a três semanas. Cobranças ambientais travam a finalização do tratado, que Lula disse conter “ameaças” na versão mais recente proposta pelos europeus.

“A resposta brasileira está sendo discutida entre os quatro países (Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai) e, em duas ou três semanas ,entregaremos a proposta à União Europeia”, disse Lula em uma entrevista coletiva em Bruxelas.

Como atual presidente do Mercosul, o mandatário brasileiro disse querer concluir o acordo até o final de 2023, quando termina seu mandato à frente do grupo. E voltou a chamar de “agressiva” a versão apresentada em março pela UE. O petista também contesta pontos do texto que exigem que empresas estrangeiras sejam contratadas para compras governamentais, o que poderia prejudicar a indústria nacional.

“Não aceitamos a carta adicional da UE. É impossível imaginar que entre parceiros históricos, como nós, alguém faça uma carta com ameaças. Preparamos nossa resposta e acreditamos que a UE concordará com ela”, afirmou.

Durante a cúpula dos países latino-americanos e caribenhos (Celac) e da UE encerrada nesta terça-feira, 18, em Bruxelas, o presidente francês, Emmanuel Macron, minimizou as críticas do Mercosul e negou a intenção europeia de “ameaçar” os latinos. Lula enfatizou a preocupação ambiental de seu governo na maioria de suas falas durante o evento.

UE e Mercosul anunciaram em 2019, após duas décadas de negociações, um princípio de acordo, mas o processo ficou estagnado porque os europeus exigem um capítulo adicional ao acordo sobre questões ambientais.

Compartilhar

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Imprimir

últimas Notícias

Política

Lula fecha 2023 com 75 dias fora do Brasil

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve finalizar o ano de 2023 tendo passado 75 dias fora do Brasil, enquanto viajava para 24